Com apoio da CUT, agricultura familiar ganha Cooperativa em Campinas

Além de escoar a produção dos pequenos produtores de muitos municípios, a cooperativa irá viabilizar preços justos de mercado

Escrito por: CUT Campinas • Publicado em: 31/07/2013 - 11:38 Escrito por: CUT Campinas Publicado em: 31/07/2013 - 11:38

Campinas deve ganhar em breve uma cooperativa para comercialização de alimentos da agricultura familiar. A decisão foi confirmada na última segunda-feira, dia 29, em reunião com agricultores da Região Metropolitana de Campinas (RMC) e sul de Minas Gerais, CUT Campinas, Sintraf, Federação da Agricultura Familiar de São Paulo.

A expectativa é de que ainda neste semestre a Cooperativa entre em funcionamento e faça valer a lei nº 11.947/2009 que determina a utilização de, no mínimo, 30% dos recursos repassados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para alimentação escolar, na compra de produtos da agricultura familiar e do empreendedor familiar rural ou de suas organizações, priorizando os assentamentos de reforma agrária, as comunidades tradicionais indígenas e comunidades quilombolas. Segundo o Centro de Estudos e Promoção da Agricultura de Grupo (Cepagro), a lei reforça em R$ 600 milhões ao ano a agricultura familiar em todo o Brasil.

Em Campinas, a cooperativa além de escoar a produção dos pequenos produtores de muitos municípios, irá viabilizar preços justos de mercado e a permanências de muitos agricultores na atividade.

Título: Com apoio da CUT, agricultura familiar ganha Cooperativa em Campinas, Conteúdo: Campinas deve ganhar em breve uma cooperativa para comercialização de alimentos da agricultura familiar. A decisão foi confirmada na última segunda-feira, dia 29, em reunião com agricultores da Região Metropolitana de Campinas (RMC) e sul de Minas Gerais, CUT Campinas, Sintraf, Federação da Agricultura Familiar de São Paulo. A expectativa é de que ainda neste semestre a Cooperativa entre em funcionamento e faça valer a lei nº 11.947/2009 que determina a utilização de, no mínimo, 30% dos recursos repassados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para alimentação escolar, na compra de produtos da agricultura familiar e do empreendedor familiar rural ou de suas organizações, priorizando os assentamentos de reforma agrária, as comunidades tradicionais indígenas e comunidades quilombolas. Segundo o Centro de Estudos e Promoção da Agricultura de Grupo (Cepagro), a lei reforça em R$ 600 milhões ao ano a agricultura familiar em todo o Brasil. Em Campinas, a cooperativa além de escoar a produção dos pequenos produtores de muitos municípios, irá viabilizar preços justos de mercado e a permanências de muitos agricultores na atividade.



Informa CUT-SP

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.