Entidades lutam para atender aumento de demanda devido à pobreza

Em Sorocaba, é visível aumento de pessoas em situação de rua

Escrito por: SMetal • Publicado em: 06/12/2017 - 10:58 Escrito por: SMetal Publicado em: 06/12/2017 - 10:58

Divulgação Mutirão de coleta de alimentos da Campanha Natal Sem Fome realizado em 1995, em Sorocaba

A falta de políticas públicas e de investimentos sociais pioraram o quadro de pobreza da população brasileira, principalmente para os desempregados. Depois de ter saído do Mapa da Fome, em 2014, após os governos Lula/Dilma, a Organização das Nações Unidas afirmou a possibilidade do Brasil voltar a integrar essa lista negra.

Em Sorocaba, é visível o aumento de moradores de rua e pessoas vendendo produtos nos semáforos da cidade. Ao mesmo tempo em que a crise instaurada no país aumentou a demanda para as entidades beneficentes, decorrente do número de pessoas em situação de pobreza, diminuiu o número de contribuições financeiras.

“Temos as famílias cadastradas e o que aparece, a gente divide, arroz, leite. Antes, tínhamos bem mais doações, mas depois apareceu muita gente necessitada, desempregada e pede até fogão para cozinhar. Às vezes, a pessoa não tem nem colchão para dormir”, afirma a presidente da Associação de Moradores de Lopes de Oliveira, da Vila Helena e adjacências, Rose Leila da Silva Leitão.

Há 11 anos ela contribui com a distribuição do sopão no bairro, sempre às quintas-feiras. “Moradores de rua e pessoas vêm buscar para levar para suas famílias, nas casas. O Banco de Alimentos dá uma ajuda muito grande para essas pessoas. Se não fosse ele não daria para fazer os 60 litros do sopão (semanal)”, conta Rose.

Quem sentiu também esses reflexos foi o professor voluntário de karatê do CEU das Artes do bairro Laranjeiras, Francisco de Assis Oliveira. Pela associação desportiva na qual ele atua e que também é atendida pelo Banco de Alimentos, consegue atender 10 famílias cadastradas.

“Não dá para atender todo mundo. A situação piorou muito. Está tão triste este Brasil. Vejo muitos pais de família vendendo bala nos semáforos”. 

Aumento de demanda

Para ajudar as famílias mais necessitadas o Banco de Alimentos e o Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região (SMetal) retomaram, neste ano, a Campanha Natal Sem Fome de Sorocaba. Foram realizadas 19 edições dessa campanha, sendo que a anterior ocorreu em 2012.

“Com o aumento da miséria nesses últimos dois anos, resolvemos voltar com a Campanha para dar um Natal mais digno para as famílias que foram afetadas ou tiveram a situação social agravada pela crise”, explica o presidente do Banco de Alimentos, Tiago Almeida do Nascimento, que também é secretário de administração e finanças do SMetal.

“Mais fraternidade, menos miséria” é o tema da campanha deste ano, que vai arrecadar alimentos não perecíveis e distribuí-los às famílias carentes por meio do Banco de Alimentos de Sorocaba, que tem 70 entidades cadastradas e atende aproximadamente nove mil pessoas  Serão realizados mutirões de coleta, com ajuda de voluntários, em bairros e supermercados da cidade.

Mutirões

Para quem quiser contribuir com a campanha pode fazer doações de alimentos e/ou ser voluntário nos mutirões de coleta.

Quem quiser ajudar sendo voluntário, parceiro da ação ou mesmo realizar doações, pode entrar em contato pelo telefone (15) 3334-5409 ou e-mail natalsemfome2017@smetal.org.br 

Os interessados podem retirar caixas no SMetal para coletar alimentos no condomínio onde mora ou em estabelecimentos.

Os alimentos que são arrecadados são: arroz, feijão, macarrão, molho de tomate, óleo, achocolatado, açúcar, leite em pó, biscoitos, farinhas de milho, mandioca e trigo, enlatados (milho, ervilha e sardinha).

O primeiro mutirão para coleta de alimentos acontece neste sábado, dia 9, das 9h às 13h, na avenida Vinicius de Moraes, próximo da praça, ao lado da igreja, do Parque São Bento, na zona norte da cidade.

Título: Entidades lutam para atender aumento de demanda devido à pobreza, Conteúdo: A falta de políticas públicas e de investimentos sociais pioraram o quadro de pobreza da população brasileira, principalmente para os desempregados. Depois de ter saído do Mapa da Fome, em 2014, após os governos Lula/Dilma, a Organização das Nações Unidas afirmou a possibilidade do Brasil voltar a integrar essa lista negra. Em Sorocaba, é visível o aumento de moradores de rua e pessoas vendendo produtos nos semáforos da cidade. Ao mesmo tempo em que a crise instaurada no país aumentou a demanda para as entidades beneficentes, decorrente do número de pessoas em situação de pobreza, diminuiu o número de contribuições financeiras. “Temos as famílias cadastradas e o que aparece, a gente divide, arroz, leite. Antes, tínhamos bem mais doações, mas depois apareceu muita gente necessitada, desempregada e pede até fogão para cozinhar. Às vezes, a pessoa não tem nem colchão para dormir”, afirma a presidente da Associação de Moradores de Lopes de Oliveira, da Vila Helena e adjacências, Rose Leila da Silva Leitão. Há 11 anos ela contribui com a distribuição do sopão no bairro, sempre às quintas-feiras. “Moradores de rua e pessoas vêm buscar para levar para suas famílias, nas casas. O Banco de Alimentos dá uma ajuda muito grande para essas pessoas. Se não fosse ele não daria para fazer os 60 litros do sopão (semanal)”, conta Rose. Quem sentiu também esses reflexos foi o professor voluntário de karatê do CEU das Artes do bairro Laranjeiras, Francisco de Assis Oliveira. Pela associação desportiva na qual ele atua e que também é atendida pelo Banco de Alimentos, consegue atender 10 famílias cadastradas. “Não dá para atender todo mundo. A situação piorou muito. Está tão triste este Brasil. Vejo muitos pais de família vendendo bala nos semáforos”.  Aumento de demanda Para ajudar as famílias mais necessitadas o Banco de Alimentos e o Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região (SMetal) retomaram, neste ano, a Campanha Natal Sem Fome de Sorocaba. Foram realizadas 19 edições dessa campanha, sendo que a anterior ocorreu em 2012. “Com o aumento da miséria nesses últimos dois anos, resolvemos voltar com a Campanha para dar um Natal mais digno para as famílias que foram afetadas ou tiveram a situação social agravada pela crise”, explica o presidente do Banco de Alimentos, Tiago Almeida do Nascimento, que também é secretário de administração e finanças do SMetal. “Mais fraternidade, menos miséria” é o tema da campanha deste ano, que vai arrecadar alimentos não perecíveis e distribuí-los às famílias carentes por meio do Banco de Alimentos de Sorocaba, que tem 70 entidades cadastradas e atende aproximadamente nove mil pessoas  Serão realizados mutirões de coleta, com ajuda de voluntários, em bairros e supermercados da cidade. Mutirões Para quem quiser contribuir com a campanha pode fazer doações de alimentos e/ou ser voluntário nos mutirões de coleta. Quem quiser ajudar sendo voluntário, parceiro da ação ou mesmo realizar doações, pode entrar em contato pelo telefone (15) 3334-5409 ou e-mail natalsemfome2017@smetal.org.br  Os interessados podem retirar caixas no SMetal para coletar alimentos no condomínio onde mora ou em estabelecimentos. Os alimentos que são arrecadados são: arroz, feijão, macarrão, molho de tomate, óleo, achocolatado, açúcar, leite em pó, biscoitos, farinhas de milho, mandioca e trigo, enlatados (milho, ervilha e sardinha). O primeiro mutirão para coleta de alimentos acontece neste sábado, dia 9, das 9h às 13h, na avenida Vinicius de Moraes, próximo da praça, ao lado da igreja, do Parque São Bento, na zona norte da cidade.



Informa CUT-SP

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.