Metalúrgicos da CUT-SP protestam contra venda da Embraer

Golpista Michel Temer (MDB) pretende concretizar a venda da empresa antes das eleições

Escrito por: Marina Selerges - FEM-CUT/SP • Publicado em: 16/05/2018 - 16:34 Escrito por: Marina Selerges - FEM-CUT/SP Publicado em: 16/05/2018 - 16:34

Samuel Sgarbi

Na tarde da última terça-feira, 15, a Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT São Paulo, a FEM-CUT/SP, participou de um protesto contra a venda da Embraer para a empresa norte americana Boeing. O governo ilegítimo de Michel Temer pode concretizar o negócio antes das eleições de 2018.

Com plantas em várias cidades paulistas, sindicatos de metalúrgicos, federações e confederações cobraram do poder público um posicionamento sobre o tema. Além de sindicatos CUTistas, sindicatos ligados à CSP-Conlutas e a Força Sindical se manifestaram em frente à prefeitura de São José dos Campos, contra a venda da empresa e exigiram posicionamento tanto dos governos municipais das cidades que possuem plantas da Embraer em seus territórios, Governo do Estado de São Paulo.

“A prefeitura de São José dos Campos e das outras cidades, assim como o governo do Estado, deveriam seguir o exemplo do Ministério Público e questionar a Embraer sobre a transação”. destacou Luiz Carlos da Silva Dias, o Luizão, presidente da FEM-CUT/SP. “É sistemático, todas empresas que são vendidas a grandes grupos internacionais, ou ainda passam por essa tal de fusão, sofrem com a restruturação produtiva e a consequente eliminação de postos de trabalho”, continuou o dirigente, que também ressaltou a importância da unidade entre os trabalhadores contra a venda da Embraer. “Os metalúrgicos da CUT seguirão mobilizados até a reversão desta situação, em conjunto com os companheiros/as das outras centrais em defesa da soberania nacional”, finalizou.

Apoio parlamentar

O deputado federal (PT), Carlos Zarattini, participou do protesto em São José dos Campos. Antes ele visitou a sede do Sindmetau e afirmou que a venda da Embraer é “um verdadeiro absurdo”. Para ele, essa transação pode terminar com a transferência total da empresa brasileira para os Estados Unidos.

“Não podemos entregar uma empresa de alta tecnologia, exportadora, que foi construída com o esforço do povo brasileiro. Não podemos admitir perder o patrimônio tecnológico e vagas de trabalho, que ocorrerá com essa transação.”

*Com informações do Sindmetau

 

Título: Metalúrgicos da CUT-SP protestam contra venda da Embraer, Conteúdo: Na tarde da última terça-feira, 15, a Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT São Paulo, a FEM-CUT/SP, participou de um protesto contra a venda da Embraer para a empresa norte americana Boeing. O governo ilegítimo de Michel Temer pode concretizar o negócio antes das eleições de 2018. Com plantas em várias cidades paulistas, sindicatos de metalúrgicos, federações e confederações cobraram do poder público um posicionamento sobre o tema. Além de sindicatos CUTistas, sindicatos ligados à CSP-Conlutas e a Força Sindical se manifestaram em frente à prefeitura de São José dos Campos, contra a venda da empresa e exigiram posicionamento tanto dos governos municipais das cidades que possuem plantas da Embraer em seus territórios, Governo do Estado de São Paulo. “A prefeitura de São José dos Campos e das outras cidades, assim como o governo do Estado, deveriam seguir o exemplo do Ministério Público e questionar a Embraer sobre a transação”. destacou Luiz Carlos da Silva Dias, o Luizão, presidente da FEM-CUT/SP. “É sistemático, todas empresas que são vendidas a grandes grupos internacionais, ou ainda passam por essa tal de fusão, sofrem com a restruturação produtiva e a consequente eliminação de postos de trabalho”, continuou o dirigente, que também ressaltou a importância da unidade entre os trabalhadores contra a venda da Embraer. “Os metalúrgicos da CUT seguirão mobilizados até a reversão desta situação, em conjunto com os companheiros/as das outras centrais em defesa da soberania nacional”, finalizou. Apoio parlamentar O deputado federal (PT), Carlos Zarattini, participou do protesto em São José dos Campos. Antes ele visitou a sede do Sindmetau e afirmou que a venda da Embraer é “um verdadeiro absurdo”. Para ele, essa transação pode terminar com a transferência total da empresa brasileira para os Estados Unidos. “Não podemos entregar uma empresa de alta tecnologia, exportadora, que foi construída com o esforço do povo brasileiro. Não podemos admitir perder o patrimônio tecnológico e vagas de trabalho, que ocorrerá com essa transação.” *Com informações do Sindmetau