Metalúrgicos do estado se solidarizam contra demissão de dirigente sindical

Acampamento em frente a fábrica chega ao 3º dia

Escrito por: Sindicato dos Metalúrgicos de São Carlos • Publicado em: 09/06/2017 - 17:42 Escrito por: Sindicato dos Metalúrgicos de São Carlos Publicado em: 09/06/2017 - 17:42

Divulgação

Os Metalúrgicos CUTistas do estado participaram nesta sexta-feira (9), do protesto contra a demissão de um dirigente sindical, na empresa Sistema de Fluxo, localizada no Parque Delta.

A direção do Sindicato está acampada na frente da empresa desde a última quarta-feira (7), pois entende que a empresa agiu de forma arbitrária ao demitir um representante dos trabalhadores, além de configurar como atitude antissindical.

A empresa  Sistema de Fluxo tem histórico de não respeitar  a representação sindical e infringir alguns direitos dos trabalhadores,  o Sindicato já recebeu denúncias sobre atraso de pagamento de FGTS, extinção da Cipa, entre outros assuntos.

Na mobilização desta sexta-feira, prestaram apoio os representantes dos Sindicatos do ABC, Itú, Pindamonhangaba, Salto, Sorocaba, Taubaté e movimentos sociais.

Confira abaixo as falas dos representantes. 

Erick Silva, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Carlos e Ibaté.

 “Quando se demite um representante democraticamente eleito pelos metalúrgicos, na verdade, se está desafiando todos os trabalhadores e isso nós não podemos aceitar, é um absurdo. Desta forma, estamos aqui  nesta mobilização pacífica, porque queremos dialogar com a empresa, para não termos que tomar outras medidas, que não é o nosso interesse”.

Vanderlei Strano, vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Carlos e Ibaté.

“Não podemos admitir essa atitude antissindical da empresa em demitir um dirigente sindical, pois  o que pretende é  acabar com a representação dos trabalhadores.  Vamos permanecer mobilizados buscando reverter essa situação.”

Edivaldo Moura, Pula-Pula, representante da Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT-SP – FEM/CUT-SP

“Nós que andamos pelo Estado, sabemos que o que está acontecendo aqui, acontece em outros lugares também, mas precisamos exercer o diálogo pra não deixar se caracterizar como uma prática antissindical. Procuramos sempre buscar uma boa saída para a fábrica e o Sindicato, porém pensando sempre no trabalhador.”

Gaúcho, representando o Sindicato dos Metalúrgicos  do ABC

“Quero dizer que nós de São Bernardo do Campo, Diadema, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra,  estamos  a disposição de vocês pra ajudar no que for necessário. Lá nós temos mais de 230  companheiros nos CSE´s (Comitê Sindical de Empresa) e temos respeito por parte dos trabalhadores, por parte da empresa. Infelizmente não é o que acontece aqui na Sistema de Fluxo, que em pleno século 21  realiza perseguição sindical em cima de trabalhador eleito  pelo companheiros, como já foi dito, não podemos permitir tamanha afronta”.

José Roberto Nogueira da Silva, o Bigodinho, representante da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM/CUT)

“A organização no local de trabalho fez a gente aprender  necessitamos dialogar, insistir na conversa,  e nunca deixar de lutar. Desta forma pela atitude da empresa, só nos mostra o quanto temos que estar organizados,  para retornar esse companheiro para o local de trabalho.  Isso é um ataque que estamos tendo,  reflexo do governo,  das tentativas de desmonte em cima dos trabalhadores”.

Ceres Lucena, Dirigente Sindical, diretora da CUT-SP

“É importante que vocês tenham consciência do que pode acontecer com vocês a partir de agora, a organização de vocês está debilitada, fragilizada sem um representante com vocês. A empresa com essa prática antissindical não respeitou você trabalhador na Sistema de Fluxo que elegeu democraticamente o José Castanheiro, desta forma, o momento pede união, luta, não podemos permitir isso. “

Alexandre G. Ribeiro, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Salto

“Os trabalhadores tem que entender que a organização, o CSE dentro da Empresa,  ter um representante sindical é muito importante, porque quando ele perde o dirigente sindical  perde assim o poder de barganha,  perde o poder de  ter alguém do seu lado,  lutando pelos seus direitos. É isso estamos juntos, nessa luta, companheiros”.

Geraldo Maranim Filho, Gege, presidente do Desliga Geral, representante dos movimentos sociais

“O patrão não pensa em você trabalhador, não se iluda. Você não é prioridade do patrão, acorda peão.  O seu companheiro está aqui fora, porque foi dispensado de um modo injusto, arbitrário e amanhã pode ser você”.

Edinaldo Ferreira, Dirigente Sindical e Coordenador da subsede CUT São Carlos

 “Pra mim a empresa cometeu um ataque criminoso ao demitir um representante dos trabalhadores, um dirigente sindical. Com isso quer mais uma vez acabar com qualquer forma de representação dentro da empresa, primeiro extinguiu a CIPA e agora demitiu um companheiro, não podemos admitir isso. Essa situação é lamentável, precisamos lutar“.

 

Título: Metalúrgicos do estado se solidarizam contra demissão de dirigente sindical, Conteúdo: Os Metalúrgicos CUTistas do estado participaram nesta sexta-feira (9), do protesto contra a demissão de um dirigente sindical, na empresa Sistema de Fluxo, localizada no Parque Delta. A direção do Sindicato está acampada na frente da empresa desde a última quarta-feira (7), pois entende que a empresa agiu de forma arbitrária ao demitir um representante dos trabalhadores, além de configurar como atitude antissindical. A empresa  Sistema de Fluxo tem histórico de não respeitar  a representação sindical e infringir alguns direitos dos trabalhadores,  o Sindicato já recebeu denúncias sobre atraso de pagamento de FGTS, extinção da Cipa, entre outros assuntos. Na mobilização desta sexta-feira, prestaram apoio os representantes dos Sindicatos do ABC, Itú, Pindamonhangaba, Salto, Sorocaba, Taubaté e movimentos sociais. Confira abaixo as falas dos representantes.  Erick Silva, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Carlos e Ibaté.  “Quando se demite um representante democraticamente eleito pelos metalúrgicos, na verdade, se está desafiando todos os trabalhadores e isso nós não podemos aceitar, é um absurdo. Desta forma, estamos aqui  nesta mobilização pacífica, porque queremos dialogar com a empresa, para não termos que tomar outras medidas, que não é o nosso interesse”. Vanderlei Strano, vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Carlos e Ibaté. “Não podemos admitir essa atitude antissindical da empresa em demitir um dirigente sindical, pois  o que pretende é  acabar com a representação dos trabalhadores.  Vamos permanecer mobilizados buscando reverter essa situação.” Edivaldo Moura, Pula-Pula, representante da Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT-SP – FEM/CUT-SP “Nós que andamos pelo Estado, sabemos que o que está acontecendo aqui, acontece em outros lugares também, mas precisamos exercer o diálogo pra não deixar se caracterizar como uma prática antissindical. Procuramos sempre buscar uma boa saída para a fábrica e o Sindicato, porém pensando sempre no trabalhador.” Gaúcho, representando o Sindicato dos Metalúrgicos  do ABC “Quero dizer que nós de São Bernardo do Campo, Diadema, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra,  estamos  a disposição de vocês pra ajudar no que for necessário. Lá nós temos mais de 230  companheiros nos CSE´s (Comitê Sindical de Empresa) e temos respeito por parte dos trabalhadores, por parte da empresa. Infelizmente não é o que acontece aqui na Sistema de Fluxo, que em pleno século 21  realiza perseguição sindical em cima de trabalhador eleito  pelo companheiros, como já foi dito, não podemos permitir tamanha afronta”. José Roberto Nogueira da Silva, o Bigodinho, representante da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM/CUT) “A organização no local de trabalho fez a gente aprender  necessitamos dialogar, insistir na conversa,  e nunca deixar de lutar. Desta forma pela atitude da empresa, só nos mostra o quanto temos que estar organizados,  para retornar esse companheiro para o local de trabalho.  Isso é um ataque que estamos tendo,  reflexo do governo,  das tentativas de desmonte em cima dos trabalhadores”. Ceres Lucena, Dirigente Sindical, diretora da CUT-SP “É importante que vocês tenham consciência do que pode acontecer com vocês a partir de agora, a organização de vocês está debilitada, fragilizada sem um representante com vocês. A empresa com essa prática antissindical não respeitou você trabalhador na Sistema de Fluxo que elegeu democraticamente o José Castanheiro, desta forma, o momento pede união, luta, não podemos permitir isso. “ Alexandre G. Ribeiro, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Salto “Os trabalhadores tem que entender que a organização, o CSE dentro da Empresa,  ter um representante sindical é muito importante, porque quando ele perde o dirigente sindical  perde assim o poder de barganha,  perde o poder de  ter alguém do seu lado,  lutando pelos seus direitos. É isso estamos juntos, nessa luta, companheiros”. Geraldo Maranim Filho, Gege, presidente do Desliga Geral, representante dos movimentos sociais “O patrão não pensa em você trabalhador, não se iluda. Você não é prioridade do patrão, acorda peão.  O seu companheiro está aqui fora, porque foi dispensado de um modo injusto, arbitrário e amanhã pode ser você”. Edinaldo Ferreira, Dirigente Sindical e Coordenador da subsede CUT São Carlos  “Pra mim a empresa cometeu um ataque criminoso ao demitir um representante dos trabalhadores, um dirigente sindical. Com isso quer mais uma vez acabar com qualquer forma de representação dentro da empresa, primeiro extinguiu a CIPA e agora demitiu um companheiro, não podemos admitir isso. Essa situação é lamentável, precisamos lutar“.  



Informa CUT-SP

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.